Missão:

A nossa missão tem como objectivo a protecção de animais abandonados, acolhendo-os com carinho e proporcionando-lhes cuidados veterinários que a sua situação de saúde exija (mas nos quais se incluem, pelo menos, desparasitação, vacinação e esterilização). Paralelamente, divulgamos esses animais para que encontrem famílias que os respeitem e os adoptem com responsabilidade.

 

Como Ajudar:

A ajuda de todos é preciosa! Pode ajudar os nossos animais através de donativos diversos, que promovam os seu bem-estar, donativos monetários para ajuda nas despesas de veterinário, ou simplesmente fazer a divulgação dos nossos animais, contribuindo assim, para uma responsável adopção.

 

Donativos Monetários:

Para o envio de donativos monetários, agradecemos que o façam para o NIB 0079 0000 4682 5711 10193

 

 


 

 


 

 


 

 


.pesquisar

 

.posts recentes

. As Miúdas Giras da MPF :-...

. Os Rapazes Giraços da MPF...

. Newsletter Março 2012

. PALOMA , o Esqueleto - Ac...

. SOS..Torres - Actualizaçã...

. Ida à praia!!

. Até um dia ....Patanisca!

. SOS..Torres

. C.C.COLOMBO - Campanha de...

. Twix - Satisfaz 2 vezes (...

. TRIXIE - Mãe abandonada (...

. PALOMA - O Esqueleto (Apa...

. VITÓRIA - A Velhota Espev...

. Newsletter Fevereiro 2012

. Leãozinho - À espera de a...

. STELLA - Mãe Abandonada (...

. SORAYA - Peace and Love (...

. LAIKA (Adopção/Apadrinham...

. MATIAS - O Meiguinho (Ado...

. NANCY - A Baixote (Adopçã...

.arquivos

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Fevereiro 2009

.tags

. adopcao(75)

. adopçao(39)

. adopção(8)

. adopcoes(36)

. adoptados(149)

. adulta(7)

. adulto(5)

. afonsinho(4)

. alvim(2)

. amélia(2)

. apadrinhamento(29)

. becky(3)

. benji(2)

. benny(5)

. bernardo(3)

. bia(3)

. bianca(3)

. blueeyes(2)

. bruna e maria(2)

. cacau(2)

. cachorra(13)

. cachorro(14)

. cachorros(2)

. cadela(53)

. campanhas(13)

. cao(40)

. cão(7)

. carlitos(3)

. carocha(4)

. chico(2)

. chocapic(3)

. cronica(5)

. cuca(3)

. daisy(2)

. fafá(2)

. femea(10)

. fifi(2)

. flor(2)

. fred(5)

. galucho(4)

. gastão(3)

. gata(10)

. gatinha(2)

. gatinhos(4)

. goncalinho(6)

. gui(3)

. happy(3)

. hope(4)

. jessie(2)

. joaninha(5)

. kali(2)

. kao(3)

. kelly(3)

. kiki(4)

. kiko(2)

. kima(3)

. léon(2)

. lucy(2)

. luna(3)

. macho(5)

. mara(3)

. maria(3)

. maria do mar(4)

. maria do monte(3)

. maria papoila(3)

. mariana(3)

. marie(3)

. marilyn(4)

. martim(3)

. matilde(11)

. memorial(3)

. mimosa(15)

. novelo(3)

. oddie(13)

. patanisca(3)

. pikachu(3)

. pintas(5)

. pipoca(3)

. pirucas(4)

. porte grande(14)

. porte medio(33)

. porte médio(6)

. porte pequeno(47)

. pretty(3)

. rafa(4)

. recuperacoes(27)

. recuperações(11)

. recuperaçoes(3)

. ricky(3)

. sandy(4)

. sasha(3)

. scott(6)

. simao(3)

. tazo(3)

. tommy(4)

. urgente(5)

. urgentes(7)

. willy(3)

. yuri(6)

. zémaria(3)

. todas as tags

.subscrever feeds

Quarta-feira, 16 de Setembro de 2009

Crónicas da Manelita

A HUMILDADE

 


De há uns anos para cá, é frequente ouvir-se as palavras “humilde” e “humildade” ditas por luminárias políticas, desportivas e outras, num contexto e com uma conotação completamente diversos dos que lhes eram atribuídos na minha infância.

Os meus pais eram pessoas de fracos recursos. O meu pai fazia parte do operariado, uma categoria profissional que deixou de existir (a seguir ao 25 de Abril passaram a ser “trabalhadores” e “técnicos”). Era polidor de móveis – se fosse agora chamar-lhe-iam, creio, “técnico em polimento de móveis”- e trabalhava para vários patrões, fazendo “ganchos” fora de horas e aos fins-de-semana, para prover ao sustento da família. Quando eu era muito criança, com 5/6 anos, deslocava-se, por vezes, a casas ditas “ricas” para polir e recuperar os seus móveis. Não raro, acompanhava-o, e era habitual ouvir as senhoras, donas dessas casas, comentarem a respeito da nossa família, e à minha frente, que nós éramos pessoas “humildes”, mas muito boa gente. Do alto da sua suposta superioridade, lá pensavam que eu, por ser uma fedelha mal saída dos cueiros, não entendia patavina do que diziam. Puro engano. Não só percebia, como me caía mal, cheirava-me a desprezo.  Ser humilde era, no meu modo de ver, ser miserável, passar fome, andar suja, piolhosa e de nariz ranhoso, atulhado de burriés, viver numa barraca, depender de esmolas e ser alvo de humilhações sem fim. Nós não éramos nada disso (embora, dos piolhos, nem sempre nos conseguíssemos safar). Tínhamos um tecto, eu os meus irmãos andávamos sempre num brinco e bem alimentados, todos estudávamos, os nossos pais não eram analfabetos, a minha mãe lia muito e escrevia lindamente e o meu pai tinha, até, uma das letras mais bonitas que alguma vez me foi dado ver e trabalhava árdua e honestamente. Não via, portanto, justificação para que fossemos considerados “humildes” ou que tivéssemos que mostrar “humildade” perante fosse quem fosse.

E foi assim que, ao longo da minha vida, sempre me recusei a ser “humilde”, porque tal sentimento, do meu ponto de vista, significava submissão, falta de brio, aceitação da adversidade, ausência de revolta, humilhação, ou seja “quanto mais te baixas, mais se te vê o rabo” – palavras da minha mãe.

Mas também é facto que sei que não sei tudo, que estou sempre a aprender e, portanto, quando, em tempos mais recentes, comecei a ouvir os políticos e outras sumidades deste burgo a regurgitar, a torto e a direito, nas mais diversas circunstâncias, as palavras “humilde” e “humildade” para se desculparem dos seus insucessos e dos erros cometidos, num assomo de humildade, resolvi ir aos dicionários que tenho cá em casa. Comecei por consultar o

- DICCIONARIO DA LINGUA PORTUGUEZA ETYMOLOGICO, PROSODICO E ORTOGRAPHICO –

Nota: a falta de acentos não é lapso. É mesmo assim.

8ª. Edição correcta e augmentada – Primeira década do Séc. XX – Autor desconhecido  (Diccionarios do Povo para Portuguezes e Brazileiros)

Humildade – sentimento da própria inferioridade, submissão, condição baixa, modéstia.

Humilde – que tem ou mostra humildade: de baixa condição; modesto.

Humilhar – fazer humilde, sujeitar, rebaixar; curvar-se; rojar-se para conseguir algum favor.

Seguidamente, passei ao:

- MODERNO DICIONÁRIO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTUDANTES E PARA O POVO, ORTOGRÁFICO, PROSÓDICO E MORFOLÓGICO – Francisco Torrinha, Edição de 1935:

Humildade – virtude que nos dá o sentimento da nossa fraqueza, modéstia, inferioridade.

Humilde – modesto, obscuro, pobre, submisso, rasteiro

Humilhar – tornar humilde;  vexar; abaixar a cabeça para marrar.

Insatisfeita, atirei-me ao:

- KOOGAN LAROUSSE – 1978

Humildade – ausência completa de orgulho; rebaixamento voluntário por um sentimento de fraqueza ou respeito; modéstia; pobreza.

Humilde – que tem ou aparenta humildade, que se diminui voluntariamente; que denota respeito, deferência; medíocre, baixo, obscuro.

Humilhar – tornar humilde; tratar desdenhosamente, com soberba. Rebaixar, vexar, submeter e oprimir. Mostrar-se humilde = rebaixar-se.

E, finalmente, o

- DICIONÁRIO DA LÍNGUA PORTUGUESA CONTEMPORÂNEA – Academia de Ciências de Lisboa Edição de 2001

Humildade – Capacidade de reconhecer erros ou defeitos próprios; qualidade do que é humilde. Demonstração de respeito, de submissão, de aceitação de alguma coisa. Acatamento, deferência inverso de altivez, arrogância, orgulho, soberba e sobranceria. Estado de inferioridade, especialmente em termos económicos ou sociais. Modéstia, pobreza.

Humilde – Que tem ou demonstra humildade, capacidade para reconhecer as próprias fraquezas. Que denota respeito, submissão, reverência, simplicidade, modéstia, inferioridade sócioeconómica, pobre, simples,  modesto.

Humilhar – Fazer sentir vergonha de si próprio; fazer perder o orgulho ou o amor-próprio; fazer parecer inferior, desprezível ou sem valor; menosprezar, rebaixar, vexar. Colocar-se numa posição de inferioridade ou humildade excessivas. Abaixar a cabeça, o touro, dando azo  a que o forcado execute a pega de caras, etc., etc.

Posto isto, e por mais voltas que dê ao assunto, continuo a pensar que um humilde, nada mais é do que um desgraçadinho que deixa que façam dele gato-sapato e que até gosta.

 Humildade, humilde, humilhar, a raiz é a mesma em todos os vocábulos. Todos eles têm sabor a subserviência e a bajulação.

Nunca quis ser, não quero ser, nem nunca quererei ser uma desgraçadinha. E se eu, que não sou importante (passe a humildade), não quero ser desgraçadinha, o que dizer do primeiro-ministro, dos políticos fulano e sicrano e (por exemplo) do Cristiano Ronaldo? Quererão?

 A que propósito, um qualquer político que não fez o que devia ou que cometeu erro, uma ilegalidade, vem dizer que “estas coisas acontecem e que o que é preciso é humildade”? Ou que um jogador de futebol e um treinador que ganham milhões e metem a pata na poça, venham, depois, perorar, compungidos e lacrimosos, que é preciso humildade para aceitar o mau resultado do jogo?

Os primeiros, os políticos e governantes do meu País não podem, nem devem e, decerto, não querem, ser humildes. Devem ser honestos, incorruptíveis e, caso errem - o que pode acontecer - devem ter a hombridade, o bom senso de o reconhecer de, se possível, remediarem o mal, ou de aprenderem com esses erros para não reincidirem. E os segundos devem esforçar-se, ao máximo, para vencer os jogos e fazer jus aos seus escandalosos ordenados.

Como tal, e dado que ninguém acredita que se sintam, sequer, arrependidos, a humildade que aparentam é, somente e apenas, Hipocrisia.

Está bem, pronto, já vou, que chatos! Uma pessoa já nem pode estar sossegada a debitar umas balelas para o Patas.

Tenho que terminar. É que, à semelhança dos humildes políticos, desportistas e quejandos, que, com humildade, buscam o tacho que, gloriosamente, os fará ascender aos píncaros da fama, tenho aqui, à minha volta, 23 pares de olhos, de todas as formas, cores e feitios, descaídos, também em humílima  súplica, pelo tacho, pelo verdadeiro tacho, o de alumínio, com asas e tudo, aquele que, gloriosamente,  lhes há-de encher as barrigas e, oh, ignomínia!! me há-de esvaziar os bolsos.

MHR

15 de Setembro de 2009

 

tags:
publicado por Missão Patas Felizes às 01:05

link do post | comentar | favorito

Missão Patas Felizes na SIC

 


Questões ou Sugestões para:patasfelizes@gmail.com

Maio 2009 Copyright © Patas Felizes

Contador automático:

Nº de visitantes em simultâneo:

 

 

TORRES

PALOMA

LEÂOZINHO

ODDIE

Urgentes

 

Cachorro

Cachorra

Cao

Cadela

Gatinhos

Todos

 

Adoptados

 

As Recuperações

 

Em memória de...

 


 


 

Ajude-nos

Auxilie a nossa Missão de recolha/tratamento/adopção de animais abandonados. Obrigado pelo Seu donativo.

- - - - - - - - - -

Help Us

Help us in our mission of collecting / treatment / adoption of abandoned animals. Thank you for your donation.

 


 

PARA ADOPÇÃO

 

TWIX

TRIXIE

VITÓRIA

STELLA

SORAYA

LAIKA

MATIAS

NANCY

ALVIM

MARIA DO MAR

HAPPY

SAMIRA

PATANISCA

LUCY

MARA

KIMA

MIMOSA

TAZO

SEBASTIÃO